Amor sim, ódio não.


Ódio não, amor, sim. O ódio envenena a alma, o amor a torna saudável. Ninguém é feliz enquanto guardar ódio no coração.
Ódio é como o fogo destruidor, mas que graças à água do amor, se extingue. O ódio nunca venceu o amor, que é Jesus no coração.
É fácil odiar. Difícil é amar. Não é tão fácil perdoar, mas, ainda mais difícil é não se vingar. Difícil é esquecer. É fácil esbofetear o inimigo. Difícil não, mas quase impossível, é acariciá-lo.
Foi por isso que Jesus identificou os seus discípulos “por muito se amarem”. Por aí vemos como é difícil amar Jesus. Difícil, sim, impossível, não, porquanto muitos conseguiram não se vingar festejando a festa da reconciliação.
É estúpida a sentença: olho por olho, dente por dente. Isto ficou lá com Moisés. A mensagem que Jesus trouxe foi: “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”, e “perdoai setenta vezes sete”. Ele não só ensinou, como exemplificou, pedindo perdão para os próprios algozes. Mas, a regra sempre adotada por aí é a de ensinar e não exemplificar.
O ódio é veneno na alma. Repitamos. Quem odeia ou guarda mágoa é um eterno infeliz. Nunca terá paz de espírito.
A História é uma vergonha. É a história do poder, do ódio, da vingança, da destruição, da guerra, do egoísmo, da animalidade superando a humanidade...
Amar é esquecer, amar é não se vingar, amar é perdoar, amar é ser compreensivo com os erros e defeitos dos outros. Amar é não julgar.
É triste a historia dos que odiaram. É triste a história de um Hitler, de um Herodes, de um Napoleão, de um inimigo da paz, que deixaram a vida isolados...
É bela a história de um Francisco de Assis, de um Gandhi e de outros grandes missionários da História. Um Gandhi que chegou a dizer que “não perdoava porque nunca se sentiu ofendido”...
Jamais estrague sua vida, envenene sua vida com o ódio no coração. Coração é o lugar do amor.
Não se esqueça da advertência do mestre dos mestres: meus discípulos são reconhecidos por muito se amarem. E fica o aviso final: você nunca será feliz se não amar, se não perdoar, se não esquecer o mal que lhe fizeram. Lição difícil, ou quase impossível, hein? Mas você queria um paraíso de graça?...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário