Por que nasci em Junho?...


Por que diabo nasci no mês de junho, lá em Alagoa Nova, num mês frio, úmido, pedindo agasalho, e cobertor? E para completar, minha cidade promove a danada da cachaça que, para muitos, é um excelente cobertor, e é um dos grandes fabricantes dessa bebida que traz tantos prejuízos à saúde. Que digam os médicos. Mas, isso pouco importa. O importante é faturar. E depois, os fabricantes pagam impostos.
E que tal o sabor da maldita? Sei não, leitor, só sei que quem a bebe faz aquela careta, e ainda estala o dedo... Pensando bem, a cachaça é o uísque do pobre. Porque, no frigir dos ovos, todas são bebidas alcoólicas. E a cerveja, como vimos, recentemente, mostrou a sua força. Vai entrar nos estádios da Copa. E me chega a pergunta: o que tem álcool a ver com o esporte, que favorece a saúde física. Nem cachaça, nem cerveja, nem uísque promovem a saúde, mas, fortalecem os bolsos de seus fabricantes...
A cerveja vai esquentar o juízo dos torcedores. E com a cabeça cheia, será que vão sair dos estádios, quietinhos, que nem cordeiros? E insisto na pergunta: o que tem a ver o álcool com esporte? Por que os jogadores também não provam da “loura”, antes das partidas?
Voltando ao começo, como se não fosse o frio que não gostei, quando nasci, tanto é assim que chorei alto, inventaram que junho e julho são de foguetões, bombas e outros destruidores do silêncio. João Batista, primo de Jesus, não gostava de fogo e sim de água. E foi com água que batizou Jesus.
E, aqui para nós, não há primitivismo mais grosseiro do que essas bombas juninas. Tradição? Ora, comer carne humana também foi costume bem aceito, em certa época...
Aliás, interrompendo a crônica, segundo informaram os jornais, são muitas as vítimas dos fogos, levadas para os pronto-socorros e hospitais de trauma...
Fogueiras, foguetões, tudo isso precisa ser extinto de uma vez por toda. Que venham as quadrilhas, que dancem o forró, que venham agradar o nosso paladar a saborosa canjica, a pamonha, o cuscuz, o milho assado. Mas, nada de primitivismo irracional, que teve a sua época, quando não se falava em ecologia, em poluição do ar, em respeito à Natureza.
Quando menino, brinquei nas festas juninas, mas, o que mais gostei foi receber, no meu aniversário, de minha tia Autinha, um livro de “História do Brasil para crianças”. Mulher inteligente é outra coisa. Senão teria me dado bombas...
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário