Voltando para casa


Tanto é gostoso sair, como chegar. O ir é uma aventura e o vir é uma rotina. Tudo, afinal, se resume num festival de emoções, saudades e esperanças.
José Américo disse que ninguém se perde na volta. A frase, que se tornou famosa, encerra uma grande verdade. Chega um momento em que a saudade termina pedindo para a gente voltar. Voltar à nossa gostosa rotina.
Lisboa agora é um trampolim nessa viagem de volta. Daqui saltaremos num vôo até o nosso país. São mais ou menos oito horas de vôo. Desceremos em Natal. E fico pensando... até quando teremos que ir pra Natal ou Recife para embarcar ao exterior?
O tempo está claro. Pouco mais, a aeronave sobe faminta de espaços. E tudo agora virou passado. Repito o que disse no título de meu último livro, recentemente lançado: Viajar é Sonhar Acordado.
Agora é fechar os olhos e rememorar o que se viu, e o que se reviu. Quase oito horas de vôo, entre a terra e o mar. Lá embaixo vejo nuvens, nuvens paradas. A aeronave desliza sobre elas. Ninguém vê terra, tão alto voa este pássaro enorme desafiando a lei da gravidade.
Noto muito cansaço nos passageiros. Muitos dormem. Dormem ou sonham. E me vem um desejo enorme de chegar logo ao meu país, de que estou ausente uns quinze dias. Mas o avião, apesar de sua grande velocidade, parece parado no espaço. Ele vai devorando distâncias por cima do oceano. Mas – espere aí - estou vendo agora lá embaixo não um oceano, mas um deserto. Quanta área sem casa, sem árvore, sem gente. É o Saara, o deserto africano, quem diria...
E empoleira-se na minha imaginação a interrogação: se o avião caísse, você preferiria no deserto ou no mar? Que responda o leitor. Este cronista, sem dúvida perdeu o siso, lembrando o poeta Olavo Bilac...
Mas não custa nada perguntar, pois é perguntando que a gente chega à verdade. Que diga o grande Sócrates, que pensou tão alto, mas que nunca, decerto, imaginou que, um dia, um brasileiro, inventaria aquela máquina voando sobre nossas cabeças...
Retiro os olhos e a curiosidade da janelinha do avião, e fico aguardando a aterrissagem em terras brasileiras. Em Natal ao invés de João Pessoa. Que humilhação para os paraibanos...
Desço a escadinha da aeronave com esta reflexão: é bom sair da rotina em busca da aventura, mas, voltar à rotina bem que é gostoso.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário