Turismo da boca


gente viaja com os pés, com os olhos, com os ouvidos, com a mente e com a boca. Assim, depois dos passeios, das visitas aos museus, às livrarias, ao cotidiano da cidade, o grande e cobiçado momento é aquela entrada no restaurante. Meu amigo e globe-trotter, Davi, me disse que restaurante com pouca gente é um sintoma de que não é bom. E tivemos a prova disso. Restaurante superlotado, a ponto de a gente ficar aguardando a nossa vez, vale a pena esperar.
Mas o gostoso , ainda não é a comida, mas o ritual inicial: o erguer de um brinde, e depois a leitura dos cardápios. Tem deles luxuosíssimos, sobretudo na encadernação. Tantos pratos apetitosos e gostosos enchendo nossa boca d'água... Esse o momento da senhora boca.
Escolher o prato é um procedimento às vezes difícil. E, de vez em quando, a gente erra, pois que chega um prato que não nos agrada. Principalmente em países exóticos, como já nos aconteceu na Rússia e no Marrocos.
A verdade é que a escolha do restaurante e a escolha do prato, nem sempre é fácil. Mas vale a pena aquele momento. Todo mundo comendo, todo mundo conversando, comentando o que se viu durante o dia, todo mundo sorrindo e, às vezes, até falando alto. Há os que estão reunidos, mas não unidos. Ou ninguém olhando pra ninguém. Quantas latitudes juntas!...
E que dizer dos restaurantes chineses? É mais uma boa opção. Do restaurante indiano fujo às léguas, devido aos pratos frequentemente picantes.
Mas o momento da boca é muito importante. Vale a pena observar as pessoas, os garçons, estes uns verdadeiros artistas, ou melhor, excelentes equilibristas. Como eles se desdobram, se multiplicam em sorrisos, e às vezes são até mal tratados por gente insensível e arrogante.
Admiro muito suas excelências os garçons. E tem vez de a gente encontrar alguns deles brasileiros. Quanta alegria! Estou agora me lembrando de um restaurante em Lisboa, cujos garçons, por sinal muito elegantes, se desdobravam em gentilezas.
Restaurante com pouca frequência não é bom sinal. Deles quanto mais animado e entupido de gente, melhor.
Mas vale observar o comportamento das pessoas por este mundo afora. Está aí um bom campo para um psicólogo, ou um cronista.
Fui falar de comida, e eis que estou desejando agora uma gostosa pizza. E viva o turismo da boca!
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário