O mundo parou?...


Esta foi a impressão que tive quando subi a escadinha que dá para a casa onde o famoso compositor Edvard Grieg morou, escreveu e esqueceu, por alguns momentos, as coisas negativas da vida, lá em Bergen, na Noruega, onde o frio reina e não queima. Mas, fico pensando, se não fosse o frio será que o compositor colocaria na partitura aquela bela composição: seu concerto para piano e orquestra, cujo adágio é capaz de comover uma pedra.
Portanto, entrei na casa do compositor com a melodia deste 2º movimento nos ouvidos. Bergen, que já foi capital da Noruega, tem talvez como sua maior atração turística, a casa de Grieg. Mas olhando o lugar ao derredor, rodeada de jardins, árvores, fiorde e montanhas, tive a impressão de que o mundo havia parado. O silêncio, como se sabe, interioriza o homem. É o contrário do barulho. Este o animaliza. Sim, o mundo parara para escutar a música de Grieg, naquele recanto paradisíaco, onde ele viveu e escreveu suas sublimes partituras.
Estávamos na gelada Noruega e Bergen, civilizadíssima, é toda cercada de montanhas. Dir-se-ia um anfiteatro criado pela Natureza. Quanto silêncio! E me veio um medo danado que aparecesse, ali, de repente um carro propaganda, muito comum, na nossa distante João Pessoa.
A senhora que nos atendeu e que toma conta daquele espaço histórico transmitiu-me a impressão de que esteve conversando com o compositor homenageado. Finamente educada, ela transmitia muita paz e mostrou-nos todos os recantos daquela casa.
Borboletas no jardim pareciam tocar piano nas pétalas das flores. E monologuei: quantas vezes Grieg pôs os olhos naquele jardim, naquela paisagem, antes de ira ao piano...
Bergen significa montanhas. Daí o nome da bela e civilizada metrópole. Montanhas! Quanto sentimento de transcendência elas nos transmitem. Uma cidade rodeada de montanhas infunde-nos muita paz.
Depois continuamos a dar um longo passeio pelas estradas que nos levavam aos fiordes. E meu filho Germano, decerto, se inspirando nas paisagens para os seus futuros projetos. Ei-lo no volante e, vez por outra, dando uma olhadela para as montanhas silenciosas e divinas. Afinal, viajar é sonhar acordado. Já disse isso no meu recente livro. Vá comprá-lo logo, leitor preguiçoso.
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário