Lisboa, terra boa


Repito o título: Lisboa, terra boa, e que rima com João Pessoa, que está a oito horas de avião, longe daqui. E tchau Londres. Tchau, sim, adeus nunca. A gente está sempre voltando, nem que seja na saudade. Daqui de Londres para Lisboa é um pulo aéreo. E vou ficar na janelinha do avião para vê-la lá embaixo. Lisboa fica à beira do continente e Camões chamou-a de “jardim, à beira-mar plantado”.
A primeira vez que vi Lisboa não tive boa impressão, devido a grossura do taxista. Mal humorado e falando como se estivesse com a boca cheia de batatas. Mas quem sabe lá suas razões para tal procedimento...
Mas, de outras vezes, pegamos taxistas bem humorados, apenas revoltados com os políticos corruptos. Olhe, não há sujeito mais politizado do que um bom taxista Está por dentro de todas as falcatruas dos políticos. Perguntei, certa vez, a um deles, o que ele achava do atual presidente de Portugal e ele não tergiversou: ”Um banana!” E soltou uma gostosa gargalhada.
Aqui em Lisboa posso dizer: estou em casa, a começar pelo nosso querido idioma. O português, com o seu fado, é uma beleza. Dizem que nós brasileiros somos o produto de três raças tristes: a indígena, a negra e a portuguesa.
Mas vamos dar um passeio por esta cidade já da nossa intimidade. Basta fechar os olhos e eis que a rua Augusta nos convida, e onde já transitam numerosos turistas. Essa rua é lavada, diariamente, com sabão. Seu piso brilha e é limpinho que faz gosto.
Há tanta coisa a saborear nesta cidade, com seu ar meio provinciano, a começar bela avenida da Liberdade, onde está o belo monumento em homenagem a Marquês de Pombal. Certa manhã, eu e Alaurinda fomos caminhando por quase toda sua extensão, num Cooper a brasileira, como se estivéssemos na calçada de Tambaú. Mais adiante, a gente pegou um taxi, desta vez dirigido por um simpático e palrador taxista, que se alegrou muito quando identificou nossa nacionalidade. Meu medo é que ele falasse em Ronaldinho... Pena que ninguém ressalte o nosso Villa Lobos no exterior. Só se lembram de futebol e carnaval.
O táxi nos deixou no shopping El Corte Ingles, cheio de turistas transitam pra lá e pra cá, comprando, conversando e comendo os gostosos bolinhos de bacalhau. A livraria do Corte é confortável, com suas poltronas, música ambiente e muita paz. Como é gostoso estar aqui em Lisboa...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário