Viajar é esperar...

Diz o ditado que quem espera sempre alcança. Será? Sei não. Só sei que poucos sabem esperar, esquecidos de que a paciência é uma virtude. Uma difícil virtude. Mas a vida está a todo instante testando a nossa paciência. Estão aí os engarrafamentos do trânsito, estão aí as filas. Poucos, porém, sabem esperar com tranquilidade, humor e sabedoria. E como não sabem esperar, haja irritação, haja palavrão, haja protesto, esquecidos de que os outros também estão aguardando a sua vez, que todos estão testando a sua paciência, e viva a arte de saber esperar.

Aqui para nós, haverá lugar onde a nossa paciência é mais exigida do que as salas dos consultórios médicos? Não há televisão, não há jornais, não há conversa que atenuem o sacrifício de esperar, naquele espaço. Mas tem que ser assim, não há outro jeito. Outrora, havia a hora marcada. Daí eu recomendar a leitura de um bom livro. O livro é um anestésico maravilhoso para a dor da impaciência. O diabo é que, em certas salas de consultórios médicos, a TV, lá no alto, quebra o silêncio para a leitura. A televisão, com seus programas detestáveis, magnetiza muita gente. Lembrar que a televisão leva à distração e a leitura induz à reflexão.

Mas o título da crônica fala que viajar é esperar. Ah, disso sou testemunha. Como a gente espera, antes de entrar no avião, que demora no tal do check-in, passagens, documentos, pesagem de malas, imigração, vistoria radiográfica, e não sei o que mais. Aí chega a hora da vistoria pessoal, e vêm as apalpadelas. A gente tem a sensação de que somos terríveis bandidos.

Depois vem a espera, a espera de ficar na sala de embarque. Aí há um certo descanso. Muitos vão ao Duty Free comprar perfumes e outras coisas, enquanto não chega a hora do embarque. Quando pensamos num ligeiro descanso, eis que temos que entrar em outra fila, a fila que nos conduzirá até à aeronave, onde uma simpática recepcionista de bordo nos recebe com o seu sorriso. Nada como um sorriso para nos alegrar. Agora, já acomodados nas poltronas, haja espera, até que o avião comece a deslizar na pista, preparando o vôo para a decolagem, que o português chama descolagem, o que vem dá no mesmo. O resto é agüentar mais de dez horas de vôo. E eis que chegamos ao local previsto. Agora esperar que o pessoal de bordo retire suas maletas para o desembarque. E vêm as longas esperas para verificação e carimbo dos passaportes, que maçada!

Mas fiquemos aqui, pois para viajar temos que aprender a esperar.

Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário