Saber olhar

Vai, aqui, um teste para você. Será que seu olhar já foi atraído pelos coqueiros das praias de Tambaú e Cabo Branco? Ou passou indiferente a eles, como se fossem postes? Lembrem-se de que nem sempre quem olha, vê. Ver é outra coisa, é olhar com profundidade, com o sentimento.

Mas vamos à crônica. Ao sair da avenida Epitácio Pessoa, ao invés de olhar para o busto de Tamandaré, que, por sinal, está de costas para o mar, dê uma espiada nos muitos coqueiros daquela orla, com seu perfil feminino, e veja como eles são belos. Aí me chega à memória aquela modinha, cantada nos cocos da praia (coco, aqui, é a dança folclórica), e que dizia assim: “Segunda-feira, vou comprar um sítio, os coqueiros estão bonitos à beira-mar...”

Só isso. E, aqui para nós, nada encanta mais os nossos olhos do que um coqueiral. Como os coqueiros lembram pontos de admiração! Admiração pela paisagem, que tanto embeleza a vida e que tanta admiração causa!

Os coqueiros, é verdade, não dão muita sombra, mas dão frutos, cuja água parece limpar, não só os rins, mas a alma. E como ela é pura, hidrata e nutre! Bem que poderiam substituir o vinho de missa pela água de coco.

Meu pai dizia que a água de coco é a melhor bebida do mundo. Não embebeda, não enjoa e parece purificar a alma.

Assim como na Índia a vaca é sagrada, o mesmo poderíamos fazer aqui com a água de coco.

Mas o coqueiro não dá apenas água. Do coco se faz tanta coisa... canjica, pamonha, tapioca, molhos, cocada, doce, e por aí vai. Além disso, ele dá palha para cobrir as choupanas e caiçaras, e do seu tronco se faz cercas, bancos, mesas...

Tiremos os olhos dos espigões que esmagam e asfixiam as cidades, que dificultam e impedem a passagem do vento e do sol, e olhemos para os coqueiros das praias, com o mesmo lirismo com que Jesus contemplou os lírios do campo...

E fico a refletir. Por que o coco, o fruto do coqueiro, é tão duro de abrir, exigindo uma foice? Tão diferente da maçã, da banana e de outras frutas, com exceção do nosso abacaxi e da jaca?...

Mas voltemos aos coqueirais de Tambaú e Cabo Branco. Ali, os coqueiros parecem sentinelas defendendo a praia. Como eles são femininos! Esguios, elegantes.

E para finalizar, repito o conselho. Não faça como o almirante Tamandaré, que, com seus olhos de bronze, e de costas para o mar, não vê a praia, nem as ondas, nem as gameleiras, as castanholas, os coqueiros... Não vê a vida e sua beleza.

Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário