Ode ao sol

O povo diz: o sol nasceu, o sol foi se embora, o sol estragou minha pele, o sol se pôs... Quanta mentira! Quanta calúnia! O sol não nasceu, nem morreu. O sol apenas foi iluminar a outra face da Terra. O sol nunca dorme. Ele está sempre trabalhando. E o seu trabalho é iluminar o nosso mundo. Haverá trabalho mais belo, mais sublime?


Dizem-me que isto é uma verdade: que o sol, um dia, morrerá e o nosso planeta ficará mergulhado na escuridão. Sem o calor solar, prevalecerá o frio. Tudo ficará gelado.


Agora é a vez de gritar. Vamos, minha gente, aproveitar o sol, que apesar de envelhecido, ainda nos aquece com a sua luz. Vamos á praia. Vamos nos encontrar com o astro-rei, que está distante de nós não sei quantas milhas. Ninguém ainda se atreveu a visitar o sol. Que o homem vá à lua, ande na lua, plante no seu solo uma bandeira norte-americana, que tudo isso foi possível. Não viram lá ninguém. Solidão completa. Onde o homem não está, a vida desaparece, a vida perde o sentido. É o homem que dá vida às coisas, embora, às vezes, se torne um destruidor, um depredador, um poluidor. Mas que seria da vida sem as negatividades, sem o jogo dos contrastes?


O inverno se foi, e o sol agora vai dominar e iluminar nossa capital com mais intensidade. As praias vão ficar cheinhas de gente. Agora o que vai dominar é o short, é o biquíni. Para o poeta Manuel Bandeira o biquíni foi uma das melhores invenções humanas.


Sol. Sol e mar. E ninguém quer saber se o sol, um dia, morrerá, como todos nós. Nada se eterniza. É o jogo da vida. Tudo é transitório. Tudo se resume nesta frase do mestre Kardec: "Nascer, morrer, renascer ainda, progredir sempre, tal é a lei. "


Estou quase deixando este computador, botar um short, e sair para me encontrar com o sol, lá na praia.


E viva a luz. Que seria do mundo sem ela? Luz rima com Jesus. Rima também com cruz. Mas esqueçamos Jesus na cruz Infelizmente a gente só o vê pendurado na cruz. Que masoquismo!


Quando Goethe estava quase morrendo, abriu os olhos e rogou: "Quero luz, mais luz!" A luz alegra. O sorriso é como a luz. As pessoas que não sorriem, trazem a escuridão no rosto. Seja um homem- luz, leitor. Que a sua presença seja sempre bem-vinda.


Que linda esta expressão: "ela deu à luz". Sim, todos nós saímos do túnel do ventre materno para um encontro com a luz. Acostumado à escuridão, o menino chora no encontro com a luz.


Lembre-se que quando Jesus nasceu, uma estrela, como uma seta candente, iluminou a humilde manjedoura.


E vamos á praia, que o sol está nos chamando.

O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um comentário:

  1. Carlos Cordeiro de Mello20/11/11 14:08

    Ótimos os novos textos do blog, como sempre. Sobretudo este "Ode ao sol". Certa vez, visitando um templo budista em Itaguaí, fiquei impressionado com uma pintura circular no fundo da sala, que partia de um vermelho vivo e ia amarelando, esmaecendo, chegando até a um tom levemente azulado. Disse-me o japinha que ela representava o Sol, que para eles era o símbolo mais claro, concreto e palpável da vida.
    O Carlos é mestre em surpreender esses grandes ensinamentos nas coisas corriqueiras e aparentemente desimportantes. Meu abraço.
    Carlos Mello (Rio de Janeiro)

    ResponderExcluir