Lição de Vida

Mal me levantei, manhã cedo, para a caminhada diária, e fui logo dando graças às minhas pernas, às quais devo a prática desse salutar exercício. Aliás, já disse o renomado psicoterapeuta Og Mandino, que contar as nossas bênçãos deve se constituir num dever nosso de cada dia. E o que é contar as nossas bênçãos? É se regozijar de tudo aquilo que possuímos de bom e que, muitas vezes, esquecemos.

Então, nessa manhã novinha em folha, saudemos primeiramente os pés que movimentam o nosso corpo, este admirável instrumento que Deus nos deu. Calcemos o par de tênis, vistamos o short e a t-shirt, respiremos esse ar impregnado de oxigênio puro, e vamos à avenida, que já está cheia de pés pra lá e pra cá.

Pés de todas as dimensões. E, na caminhada, a gente nem se lembra deles. Nesse exercício as mãos têm pouco trabalho. Sua maior participação está em ajudar na nossa conversa, por meio dos gestos, e reforçar o ritmo das passadas.

Apressemos os passos e mergulhemos nessa multidão de praticantes do cooper. Todos caminhando à sua maneira. Todos com as suas singularidades. Singularidades no andar, no vestir, no falar, no cumprimentar. Há os que adoram levar os seus cachorrinhos a tiracolo. Há os que tapam os ouvidos com um walkman, ficando surdos ao murmúrio poético do mar, ao cochicho do vento, ao canto eufórico dos bem-te-vis. E tem ainda aqueles que tentam, com as suas rezas silenciosas, falar com um Deus longínquo, lá nas alturas, esquecidos de que Ele está dentro de cada um de nós. Está presente em tudo que nos rodeia.

Pernas, mãos, coração, pulmões, quanta coisa se beneficiando com essa caminhada que para muita gente é um sacrifício.

E ia eu refletindo sobre tudo isso, quando vejo o que eu não esperava, naquele momento e naquele espaço. Um jovem caminhando, não sobre os pés, mas sobre rodas. E notei que ele estava com um semblante muito alegre, sentindo-se feliz em participar daquela procissão matinal, os olhos se extasiando com a beleza da manhã, enquanto as mãos iam movimentando sua cadeira de rodas no asfalto da avenida.

Não estava sozinho. Ao seu lado um familiar mantinha com ele animada conversa. E o curioso é que seu contentamento contrastava com a tristeza de muitos, muitos de pés sadios, mas, certamente de mente enferma. Muitos que ainda não aprenderam a contar suas bênçãos. As bênçãos que a vida lhes dá gratuitamente.

Mas o pior – pensei – são os que ficam em suas camas, com preguiça de movimentar suas pernas ainda sadias. O jovem da cadeira de rodas tinha membros atrofiados, mas uma vontade férrea de viver. E, decerto, viu o que muitos não viram nesta manhã: o mar, as árvores, os pássaros, o céu, o sol, toda a natureza em festa. Ele dava, com o seu sorriso, uma excelente e o comovente lição de vida.


Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 comentários:

  1. escelente texto, excelente reflexão. álavras sábias, das quais devemos retirar cada pormenor e absorver toda a sabedoria, aprender com elas e mudar o que vai mal em nós. Obrigada Carlos, adorei o seu post. Aproveito para agradecer as suas palavras no meu blog, o prazer em poder divulgá-lo é todo meu. Ainda a propósito deste seu texto, convido-o a ler o meu conto (está do lado direito do meu blog) que se chama "Ser Diferente: Força de viver". Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Sónia Pessoa28/5/08 09:13

    perdão pelo erro na primeira palavra do meu comentário. Escelente, é obviamente excelente.

    ResponderExcluir
  3. Anonymous8/6/08 08:38

    Caro Professor,

    Como sempre, seus textos são escritos com uma leveza e alegria tão grandes que fazem a nossa alma levitar, sem esquecer é claro, do conteúdo que é riquíssimo.E essa sua percepção positiva do mundo, que contrasta com a percepção da maioria, é uma verdadeira sessão de psicoterapia. Seu blog é um templo virtual!!!!!!

    Francisco Camboim

    ResponderExcluir
  4. Francisco Camboim8/6/08 08:46

    Caro professor,

    Me enganei com os intricados labirintos da tecnologia da informação e coloquei o autor do comentário como anônimo. Mas, sou eu mesmo professor, Francisco Camboim em carne e osso, ou melhor,pelos caminhos virtuais da internet!!!!

    ResponderExcluir
  5. Taciana Camboim8/6/08 08:52

    Professor,

    me parece que a sua alma se une ao seu pensar e escreve esses textos, ou será o contrário, seu pensar se reune à sua alma nos momentos em que escreve!!!! Não importa, o que sei é que seus textos são excelentes!!!! Parabéns!!!!

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário